sexta-feira, 17 de abril de 2015

UMA ORGIA ALIMENTAR EM GRAMADO


Segundo um amigo de Alfredo, "dessa vida, só se leva o que se vê e o que se come". Tenho que concordar com ele. Não existe nada melhor que provar e apreciar as coisas boa que a vida nos dá. Sempre que vamos a Gramado fizemos coisas diferentes. Dessa vez fomos passar o dia. Alfredo tinha a Conferência Distrital do Rotary. Eu, minha filha e genro fomos acompanhar ele e passamos o dia visitando lojas e saboreando as delícias que servem na cidade.









Passear nesta praça sentido o aroma do pão assando é uma das melhores coisas de Gramado. O cheirinho do pão convida a degustar ali mesmo, na sombra das árvores, as deliciosas cucas, pães e pastel. Ao andar pelos belos caminhos encontramos famílias com a mesma ideia que nós.

















Alfredo delirou com essa construção, levou muita ideias para nosso galpão. 


Adorei essa couve ou alface embelezando os canteiros de flores.







Aqui até os marimbondo são chiques, sua casa que é uma bela obra de arquitetura, ajuda embelezar a cidade. 


Em Canela essas árvores dão frutos diferentes. 
Belas gravuras para alegrar aos que por ali passam.

Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz


segunda-feira, 13 de abril de 2015

Delicias e decoração



Olá, queridos amigos e amigas. Quando era menina e morava em Solidão. Lá passava as tardes sonhando com o futuro, e nestes delírios sempre me via como uma escritora, morando numa bela casa. Viajando pelo mundo sem rumo e paradeiro. Enchendo a bagagem de recordações para mais tarde relatar em minhas histórias. Mas as fases da vida parecem ter interesse próprio. Pois depois que sai de Solidão e fui para Porto Alegre estudar, encontrei Alfredo e esqueci os sonhos e planos da infância. Hoje juntos, formamos novos sonhos e planos. E a lista é grande. As viagens continuam em primeiro lugar em nossa vida, porém, hoje o nosso maior passa tempo é ficar em casa “inventando moda”. Morar no campo é maravilhoso. Os dias aqui passam e a gente nem sente. Os afazeres são tantos e nos envolvemos demais, e as longas viagens, por enquanto, estão ficando somente em nossos planos e conversas no entardecer.
Aqui ainda temos as famosas lojas de 1,99. Toda semana dou uma passadinha lá para ver se encontro alguma coisa interessante. Encontrei esse lindo tecido xadrez, são sacas. Abri as costuras e fiz esses almofadões. Esse foi nosso primeiro sofá que compramos. 



Ganhei abobrinhas de minha cunhada. Ela mora em Solidão e tem uma horta fantástica. Meu sonho de consumo. Tentei fazer uma lasanha de abobrinha. Pela primeira vez, acertei. As outras vezes  juntou muita água. Se der uma fervura antes de montar a lasanha já não junta mais água. Segue a receita.
 Lasanha de abobrinha

01 abobrinha média cortada em rodelas; Cozinhe por alguns minutos, mas deixe elas meio crua. escorre e reserve;

Molho branco

1 xícara de leite e 1/2 xícara de água;
02 colheres de sopa de farinha de trigo
sal e pimenta a gosto: Misture tudo e leve ao fogo até endurecer. Retire do fogo e coloque uma lata de creme de leite. Reserve.

Molho de carne moída

500 gramas de carne moída; sal e pimenta  a gosto; 1 cebola picada; 03 colheres de molho de tomate pronto; 03 colheres de óleo. Coloque todos os ingredientes numa panela e deixe fritar, assim que fritar coloque uma xícara de água quente e deixe cozinhar e reserve.

Monte as camada, abobrinha, molho de carne, molho branco, abobrinhas e coloque queijo por cima a gosto e leve ao forno para gratinar. Gosto de colocar bastante orégano e azeite de oliva por cima.




Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Costelão


Alfredo me enviou essas fotos do ultimo churrasco que ele e seus irmãos fizeram. Antigamente os churrasco eram assim, feito com costela inteira e ficava no fogo assando por muitas horas. Lembro de quando era criança, papai dava uma costela pra gente e nós saíamos correndo e roendo a maravilhosa carne, parecíamos músicos tocando gaita de boca. Esta carne foi colocada no fogo as 10 horas da manhã e ficou o dia inteiro assando, para ser servido no jantar. Alfredo não trouxe uma provinha somente as imagens.

Ele fez esses espetos, especialmente para assar essas costelas inteiras. 
Foi feito um tempero especial, mas pode usar somente sal grosso e suco de limão, ou uma salmoura com ervas para carnes vermelha e vai banhando ao assar.






Também tem que ser ter um cuidado especial com a lenha, pois existe muitas plantas venenosas. Aqui foi usado eucalipto, ele dá um sabor defumado muito bom no churrasco. 














Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Semana santa, chá de marcela e muita história...

Olá queridos amigos e amigas. Hoje venho compartilhar nossa colheita de Marcela, eu chamo assim esse maravilhoso chá, que floresce todo ano na semana santa. Aqui em Solidão, temos a tradição de colher Macela/Marcela ao raiar do dia de sábado. Segundos os mais velhos, o chá vem abençoado e tem maior poder de cura. Antigamente em nossa casa, tudo era muito sagrado e respeitado. Na quinta-feira não se comia carne, somente peixe, pão e vinho. Esse jejum ia até sexta-feira. Meu pai, um viciado em churrasco, no sábado de Aleluia se acordava às quatro horas da manhã para carnear uma ovelha e fazer um delicioso churrasco. Mas voltamos aos dias santos, que era quinta e sexta. Nestes dias tudo era diferente. As imagens de santo era cobertas por panos brancos. Não se podia fazer arte e nenhuma brincadeira, também não apanhávamos da mamãe por que era dia santo. Nossos pais, falavam que não prestava desobedecer e criança respeita?  Nós cometíamos as mesmas artes dos dias comuns. Era os dias de maior bagunça e liberdade pra nós, mas na sábado a aleluia vinha de forma dolorosa. A cinta e o chinelo pegavam. Papai ainda brincava, perguntando como foi à aleluia. Nas reuniões familiares, esse é um tempo que relembramos com muita saudade.







Com esses ramos de marcela enfeitei a mesa do jantar de nossas bodas. Ao final do jantar os convidados levaram o chá para casa.





O buque de minhas bodas de perolas, também foi feito de marcela. Em breve mostrarei as fotos da cerimonia.

Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz