segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Nem tudo é fácil

                       


É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.
É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada
É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.
É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.
É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.
É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo.
É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.
Se você errou, peça desculpas...
É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?
Se alguém errou com você, perdoa-o...
É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?
Se você sente algo, diga...
É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar
alguém que queira escutar?
Se alguém reclama de você, ouça...
É difícil ouvir certas coisas? Mas quem disse que é fácil ouvir você?
Se alguém te ama, ame-o...
É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz?
Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível
Precisamos acreditar, ter fé e lutar
para que não apenas sonhemos, Mas também tornemos todos esses desejos,
realidade!!!

         
Não é fácil ignorar essas delicias.... 










Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Cadeira amarela



Aqui vivemos rodeados de badulaques. De vez em quando, ainda saímos recolhendo lembranças dos momentos felizes. Minha filha cata pedras e conchas dos lugares que visita. Minha irmã não gosta de nada disso, ela quer o mínimo de quinquilharia preenchendo os espaços. Essas preferencias reflete o jeito de ser de cada pessoa. Entretanto um lugar bem arrumado, mesmo que seja atopetado de coisas, eleva o estado de espirito. Não me canso desta rotina. Essa cadeira amarela, achamos caída no meio da faixa, numa volta a casa. Pintei e coloquei um chitão floreado. Usei tinta spray. Enquanto tinha tinta, ia colorindo o que dava. Dizem que amarelo traz luz e prosperidade. Desejo a todos uma semana de muitas alegrias...


      












Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Campeando coisas boas


Dizem que cevar esperança no futuro e atingir o lado positivo das coisas boas da vida. Enquanto um otimista vê um copo por meio de água, ele enxerga meio cheio, o pessimista enxerga ele meio vazio. É com esse olhar que uns e outros encaram todas as facetas da existência. O verdadeiro otimista tem noção das limitações e se adapta a elas. Mentalizar, o que queremos é o primeiro passo, para se ter concretizado nossos devaneios. Nada melhor do que observarmos a natureza num lindo dia ensolarado.










Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz


segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Revendo o passado


Esta receita postei no início de minha vida de blogueira, tirei de um programa que tínhamos aqui no sul, Anonymus Gorumet. Fiz uma adaptação da original. Postagem original aqui. Segue receita:
Ingredientes 
02 pacotes de merengue;
02 xícaras de morango picado com açúcar;
500 gramas de nata;
02 colheres de açúcar;
01 barra de 200 gramas de chocolate amargo;
1cx de creme de leite;

Modo de fazer
Amasse um pouco os merengues e reserve, bata a nata e o açúcar no ponto de creme firme e reserve, aqueça o creme de leite e o chocolate até derreter. Depois faça camadas com merengue, morango, creme de nata e chocolate, repita as camadas e leve a geladeira por 3 horas. É divina!!!!!!!

Imagem do doce original


Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Nossa morada


                    
                      UM REFLEXO DA MANEIRA COMO GOSTAMOS DE VIVER.

Este foi meu primeiro post, quando fiz este blog em 25/05/2012. Que medo de escrever. Na verdade não tinha nada na mente para escrever. Comecei a ler variados textos para inspirar meus pensamentos e dar algumas ideias do que escrever para poder compartilhar com vocês. O medo ainda não passou, mas tive muitas aulas dos queridos amigos blogueiros. O tempo passou tão rápido que nem percebi esses quatro anos de blog. Mas o melhor de tudo, foram as grandes amizades que este espaço me presenteou. Agradeço a todos vocês que me visitam e deixam mensagens tão carinhosas. Obrigada!

Este lago foi construído por nós e as crianças, ou melhor, cavado, por que a parte de concreto, contratamos. Poderíamos ter contratado para cavar, mas o melhor de tudo foi essa parte, mostrar para nossos filhos, o valor do trabalho e o quanto é difícil fazer as coisas em casa. Isso fez com eles valorizassem o trabalho e os trabalhadores. E até hoje nos ajudam a manter tudo em ordem em nossa chácara. 



                                   






Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Antigamente sim


Hoje, em nossa loja, recebemos um  cliente que alegrou nosso dia. Sr Porch. Falar dos tempos passado é muito bom. Essa nostalgia nos alegra a alma e enriquece nossa vida. Ele nasceu e cresceu no interior. E como as histórias de quem cresceu no campo são parecidas!
Lembrei de uma certa feita, minha família tinha uma roça de cebola para colher e estava para chover, os vizinhos viram que o tempo estava virando e vieram todos ajudar a colher para nós não perdermos a colheita. Pois a cebola não pode molhar a rama, tem que estar seca e maleável para fazer a réstia e logo após armazenar no galpão, em varal. Assim eram antigamente, todos se ajudavam. Pais que tinham filhas bonitas, na colheita, os rapazes iam lá ser solidários. Trabalhavam, mas de olho nas gurias.
Uma vez um vizinho nosso arrendou terras para meu pai plantar feijão e milho, na colheita lembro que o arrendatário foi junto com sua família ajudar na colheita. Nós arrancávamos os pés de feijão e colocávamos em cima de uma lona grande para pegar o calor do meio dia e de tarde íamos lá e batíamos com umas taquaras para os grãos saírem da casca. Depois da colheita fomos todos apreciar uma bela churrascada, ofertado pelo Seu Olívio e a dona Juditi. 
Alguns ditados do Seu Porch; Esses ditados são:

Mais parado que água de poço.
Mais faceiro que guri de roupa nova.
Mais apertado que pé em sapato novo.
Mais perdido que cusco em tiroteio.
Mas longo que putiada de gago. ( putiada = chingar)
Mas liso que camisa de gordo.
Mas solto que peido em bombacha.
Mas quieto que criança cacada.
Firme que nem palanque em banhado.
Mais que feio que o diabo de calça plástica.
Mais curto que coice de porco.
Mais firme que prego em polenta.
Mais enrolado que bolacha em boca de veia. 
Tá um frio de renguear cusco.
Mais grosso que palanque de porteira.
Mais grosso que dedo destroncado;

Mais ditos populares:
1 -  http://mateandosobrerodas.blogspot.com.br/2012/10/ditados-populares-gauchos.html
2- https://tcheloco.wordpress.com/2008/04/25/ditados-populares-gauchos/
3- https://tokdehistoria.com.br/2013/01/16/ditados-populares-e-seus-significados-segundo-cascudo/







Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz